DST/AIDS
Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS
Coordenador: Ranulfo Cardoso Jr.
Telefone: 218-7444/218-7327 E-mail: dstaids@saude.pb.gov.br

  O que são Doenças Sexualmente Transmissíveis - DST?

São doenças contagiosas, ou seja, passam de uma pessoa para outra, através da relação sexual. A pessoa portadora de DST pode não sentir nada (ver sintomas) mas, pode passar a doença para seu parceiro. A maioria das DST tem cura. É importante procurar um médico. Os postos de saúde estão preparados para tratá-las.
Medicamentos e camisinhas são fornecidos gratuitamente nos postos. Usando a camisinha, você se protege das DST. Se você tem algum sintoma de DST, avise logo à pessoa ou às pessoas com quem você transou. Ah, e por falar nisso, quanto mais você tiver relações sexuais com parceiros diferentes, sem camisinha, mais chance você tem de pegar uma DST.
Os principais inimigos da saúde sexual são invisíveis. São os micróbios (vírus, fungos e bactérias). Eles aproveitam a relação sexual para passar de uma pessoa para outra. Com o remédio certo os micróbios morrem e as pessoas saram. Mas é melhor que eles nem entrem no seu corpo. Use sempre camisinha.
A maioria das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) não apresentam sintomas fortes nas mulheres, quando estão no início. Isso porque o órgão sexual da mulher é para dentro, enquanto que o do homem é para fora. Por isso, as mulheres precisam fazer exames com o ginecologista, pelo menos uma vez por ano. Se a mulher tem um corrimento (secreção vaginal) que não dá coceira, não tem cheiro, é transparente e em pouca quantidade, não é doença. Ao observar qualquer alteração, é bom perguntar ao médico o que está acontecendo.

   
 
Hepatite B
Em geral, a pessoa não parece estar doente, mas pode passar a doença usando as mesmas seringas com outras pessoas, ou passá-la, quando tem relações sexuais. Essa doença pode causar cirrose e câncer no fígado. Embora algumas pessoas não tenham sintomas, quando eles aparecem podem ser: cansaço, náuseas, vômitos, mal-estar, dor no corpo, dor de cabeça, febre baixa e urina cor de coca-cola.
   
Sintomas do Cancro Mole
Os sintomas são feridas dolorosas, com pus, que aparecem na cabeça do pênis e na parte externa do órgão sexual da mulher (chamada vulva). Tem que tratar logo, pois caso as feridas toquem outras partes do corpo, novas feridas aparecem no local. O Cancro Mole também chamado de “cavalo” é mais freqüente nos homens.
   
Sintomas da Candidíase
A Candidíase é uma infecção da vagina e vulva da mulher, causada por um fungo que habita a mucosa vaginal e digestiva, e que cresce quando o meio se torna favorável. Neste sentido, a relação sexual pode não ser a principal forma de transmissão. Os sintomas são muita coceira nos órgãos sexuais (pênis ou vagina) que ficam bem vermelhos. Arde muito para fazer xixi. Na mulher, a doença provoca um corrimento branco, que nem leite azedo e, pode dar até infecção urinária, com dores fortes. Tem que tratar logo, senão atinge as partes internas do corpo.
   
 
Sintomas do Condiloma Acuminado
  No começo, aparecem uma ou duas verrugas nos órgãos sexuais ou em volta do ânus. Se não tratar, as verrugas crescem e se espalham. Se a doença avançar muito, pode precisar até de operação. Nas mulheres grávidas, a doença pode formar tumores, porque se desenvolve mais rapidamente. Atenção: com o tratamento as verrugas desaparecem, mas o vírus causador do Condiloma Acuminado permanece no corpo.
   
 
Sintomas da Gonorréia
  O sinal é um corrimento amarelado ou esverdeado, ou até mesmo um pouco de sangue, que sai do pênis, vagina ou do ânus. Isso aparece de 2 a 8 dias depois da transa. Se não tratar logo, a pessoa pode ficar estéril (incapaz de ter filhos). Sem tratamento, a doença pode afetar o sistema nervoso, os ossos e o coração. Na mulher, é mais difícil perceber os sintomas. Por isso, ela deve procurar um ginecologista, sempre que sentir alguma coisa diferente em seu corpo ou, pelo menos, uma vez por ano.
   
 
Sintomas do Herpes Genital
  Muita ardência e dor no local, com pequenas bolhas agrupadas no pênis ou na vagina. É o Herpes Genital. Não se deve coçar, porque a bolha vira ferida. Pode aparecer corrimento e dificuldade para urinar. Atenção: as bolhas somem com o tratamento mas, o vírus fica sempre no seu corpo. Tem que fazer o tratamento para as bolhas não voltarem. Usando camisinha, não passa a doença para o parceiro ou parceira.
   
 
Sintomas do Linfogranuloma
  Essa doença começa com uma feridinha no pênis ou na vagina, que depois desaparece. Depois, surgem ínguas nas virilhas, que incham até abrir, soltando pus. Quem tem relação sexual anal, pode sentir dor para fazer cocô.
   
 
Sintomas da Sífilis
  Primeiro aparece uma feridinha no pênis ou na vagina, sem dor nem pus, alguns dias depois da relação sexual (Cancro Duro). A ferida some com o tempo e a pessoa pensa que está curada. Por isso, a Sífilis é uma doença complicada. Meses depois, surgem manchas pelo corpo, até na sola do pé e na palma da mão. Essas manchas também somem, mas a Sífilis continua no sangue. Se não for tratada logo, pode causar cegueira, paralisia, doença nervosa, problemas do coração e até a morte.
A mulher grávida deve fazer exame de sangue logo no começo da gravidez. Se ela tiver Sífilis, a doença pode provocar o aborto ou passar para o bebê, causando doença grave ou a sua morte. Outros sintomas da Sífilis são verrugas na região genital, feridas na boca, ínguas no corpo, febre e dores nas juntas, além de queda  de cabelos.
   
 
Sintomas da Tricomoníase
  O sintoma é um corrimento amarelo-esverdeado com mau cheiro. Dói para ter relações sexuais. Os órgãos genitais coçam muito e fica ruim para fazer xixi. Mais da metade das mulheres portadoras de Tricomoníase vaginal não têm sintomas.
   
 
Sintomas das Uretrites
  No homem, a uretrite dá um corrimento com muco, às vezes abundante, e vontade de fazer xixi toda hora. Arde muito para urinar. A mulher também pode sentir ardência ao urinar mas, às vezes, não sente nada. Os sintomas aparecem de 8 a 10 dias depois da relação sexual.
   
  ATENÇÃO: Se você perceber qualquer coisa errada com seu corpo, procure logo um médico! As doenças aparecem de forma parecida, mas só o médico poderá dizer a doença que você tem, por isso não tome remédios sem consultar um médico. As DST (exceto a AIDS) são fáceis de serem curadas. Você não precisa ter vergonha de procurar o médico ou de contar ao seu parceiro ou à sua parceira sobre a doença.
   
 
Aids
  As DST provocam feridas nos órgãos sexuais (pênis ou vagina). Assim, elas facilitam que uma outra doença, também sexualmente transmissível, entre no seu corpo. É a AIDS. O vírus que provoca a AIDS se chama HIV. Ele destrói as defesas naturais do organismo, enfraquece a pessoa e ela pega outras doenças (como a pneumonia, tuberculose, etc.). Só o médico, através de exame de sangue, pode dizer se a pessoa está ou não contaminada pelo HIV. A AIDS ainda não tem cura. Por isso, a única maneira de ficar livre dela é se prevenindo. Se você tem algum sintoma de DST, procure um médico. As pessoas com DST têm até 18 vezes mais chances de pegar AIDS! Use sempre camisinha! Ela protege você da DST e da AIDS.
   
 
AIDS, ASSIM PEGA:
   
 
Relação Sexual - todas as formas de transar que têm penetração (seja na vagina, no ânus ou na boca) podem passar o vírus da AIDS. TEM QUE USAR CAMISINHA!
Transfusão de Sangue - exija sangue com certificado de teste de AIDS, se você precisar de uma transfusão.
Usar as mesmas seringas e agulhas (injeção) - se o sangue de uma pessoa contaminada fica na agulha ou dentro da seringa, o vírus passa para quem usar. PREFIRA SERINGAS DESCARTÁVEIS!

Gravidez e Amamentação - a mulher contaminada pelo HIV passa o vírus para o feto na gravidez, no parto ou durante a amamentação. FAÇA O EXAME DE SANGUE E CONTROLE PRÉ-NATAL DESDE O COMEÇO DA GRAVIDEZ. Hoje existem remédios que podem diminuir o risco de a mãe passar o vírus HIV para o seu bebê.

   
 
AIDS, ASSIM NÃO PEGA:
 
  • Ficar no mesmo ambiente, apertar a mão, trabalhar ao lado de alguém portador do HIV.
  • Beijar, dar carinho e atenção aos portadores do HIV.
  • Picada de insetos.
  • Saliva, lágrima, suor.
  • Espirro.
  • Banheiro, vaso sanitário, sauna e piscina.
  • Copos e talheres
  Usando sempre camisinha, a gente fica livre das Doenças Sexualmente Transmissíveis e da AIDS. Mas, preste atenção: tem que colocar e tirar do jeito certo. Não pode usar vaselina nem cremes gordurosos porque estraga a camisinha e, depois de usada, tem que jogar no lixo.
   
  A Camisinha
   
  SAIBA COMO USAR DO JEITO CERTO
  ATENÇÃO!!
  • A cada relação sexual, use sempre uma camisinha nova.
  • Só use lubrificante a base de água, porque eles não danificam a camisinha.
  • A camisinha também evita que a mulher engravide.
 
Saiba de uma coisa:

Se você usa droga injetável(toma “pico”) e ainda por cima não usa material descartável, tem muito mais chances de se contaminar com o vírus da AIDS. Não corra o risco de passar o vírus. Quem se “pica” e não usa material descartável sempre tem mais chances de pegar AIDS. Não corra o risco de passar o vírus.
   
 
  Se você usa drogas injetáveis, não troque seringas com outras pessoas. O sangue que fica na agulha e na seringa, ainda que seja só um pouquinho, pode conter o vírus da AIDS. A AIDS tem crescido muito entre as pessoas que “se picam”. No momento da diversão, fica difícil alguém se preocupar com a contaminação. Caso você não consiga se livrar das drogas injetáveis, use seringas descartáveis ou desinfete suas seringas de uso permanente, cuidando para não trocar com outras pessoas.
 
Não divida com os outros as vasilhas onde você limpa a sua seringa. Se você tem seringa de vidro e agulha de aço, é melhor ferver tudo por 10 minutos após o uso.
   
  O Tratamento
   
  Se você descobriu que está com o HIV, é muito importante se tratar. Tem gente que vive com o vírus há mais de 10 anos, sem apresentar os sintomas da AIDS. Mas, preste atenção: mesmo sem sintomas, você transmite a doença. Só o exame de sangue da pessoa pode dizer se ela está ou não contaminada e, ainda assim, cuidado, há um período inicial, chamado janela imunológica, em que a pessoa pode estar contaminada sem que apareça no exame.
Sabendo como se prevenir, você não pega DST nem AIDS. Use sempre camisinha. Procure se informar sobre a maneira certa de usar camisinha, para que ela realmente proteja você. Mas se você souber que está com o vírus HIV, não se desespere. A AIDS ainda não tem cura, mas tem tratamento. Os Postos de Saúde distribuem os remédios gratuitamente. Lembre-se que é importante contar com o apoio das pessoas com que você tem ou tenha tido relações sexuais para que elas façam o teste e possam se cuidar. Procure grupos de apoio - o isolamento, em geral, não ajuda ninguém!
   
   
  Direitos reservados aos portadores de HIV/Aids
   
  Direitos Previdenciários
  • Fundo de Garantia por Tempo de Serviço
    O portador do HIV tem direito a efetuar o levantamento do FGTS de acordo com o disposto na Lei 7670/88, independentemente de rescisão contratual ou de comunicação à empresa onde o mesmo trabalha.
  • PIS / PASEP
    Somente o paciente de Aids tem direito de efetuar o levantamento do PIS /PASEP, de acordo com a Lei 7670/88, operacionalizada pela Caixa Econômica Federal. O paciente deve comprovar o saldo de sua conta vinculada inativa e apresentar laudo médico.
  • Auxílio-doença
    O portador de HIV tem direito a receber o auxílio-doença, mesmo que esteja desempregado por período inferior a 12 meses. O seu direito vigora imediatamente após a sua filiação ao INSS, não havendo necessidade de se aguardar nenhum prazo.
  • Aposentadoria por Invalidez
    Somente o paciente de AIDS ou portador do HIV que tenha desenvolvido qualquer doença incapacitante poderá se aposentar por invalidez.
  • Auxílio da Previdência
    O portador de HIV/AIDS tem direito de receber um salário mínimo, a chamada “pensão vitalícia”, desde que comprove ser completamente sem recursos.
  • Pensão por morte
    A pensão por morte para os familiares dependentes corresponde a 50% do que a pessoa recebia pela aposentadoria.

Direitos Trabalhistas

  • Teste anti-HIV para admissão de funcionários
    O empregador é livre para decidir quem deve empregar, mas NÃO lhe é permitido exigir o teste sorológico como condição de admissão ou de manutenção do emprego. A imposição de tal condição caracteriza violação ao direito à intimidade dos trabalhadores, restrição ou discriminação.
  • Portador de HIV pode trabalhar em qualquer tipo de atividade
    Não há risco de contágio nas relações sociais dos portadores de HIV com as demais pessoas. A infecção pelo HIV, por si só, não significa limitação alguma da aptidão para o trabalho. Existem, porém, atividades que não são recomendáveis neste caso, devido ao risco de ferimentos ou de contaminação: uma equipe médica deve opinar sobre tais situações específicas.
  • Não se pode demitir o empregado por ser portador do HIV
    É vedada a dispensa arbitrária do portador de HIV, de acordo com o disposto no Art. 7º da Constituição Federal. No caso de ocorrer tal arbitrariedade, o empregado deve recorrer ao Poder Judiciário para fazer valer seus direitos.
  • Atestados médicos
    Se as faltas ao trabalho forem devidamente justificadas, o portador do HIV não poderá ser despedido, nem durante o tempo que estiver gozando de licença-saúde.

Direitos Civis

  • Pessoas infectadas pelo Vírus da AIDS na Comunidade Escolar
    Conforme prevê a Lei Federal, são assegurados à criança e ao adolescente, portadores ou não de HIV, todos os direitos previstos no Estatuto da Criança e Adolescente.
  • Sigilo médico sobre seu diagnóstico
    Segundo o Código de Ética Médica, artigo 102, “é vedado ao médico revelar fato de que tenha conhecimento em virtude do exercício de sua profissão, salvo por justa causa, ou dever legal, permanecendo tal proibição ainda que o fato seja do conhecimento público, ou que o paciente tenha falecido.
  • Direitos do Portador de HIV em Relação aos Convênios Médicos e/ou Odontológicos
    Segundo Resolução nº 1401/93 do Conselho Federal de Medicina, as empresas de seguro-saúde, empresas de Medicina de grupo, cooperativas de trabalho médico estão obrigadas a garantir o atendimento a todas as enfermidades relacionadas no Código Internacional de Doenças da Organização Mundial de Saúde, não podendo impor restrições quantitativas ou de qualquer natureza.
  • Pensão alimentícia
    Tem direito a receber pensão alimentícia o portador de HIV que não dispõe de bens e condições de sustento próprio e quando o parente a quem solicita pode fornecê-lo.
  · Utilização do Imóvel
O portador de HIV-AIDS tem direito de uso e gozo sobre a coisa alugada, não podendo sofrer restrições de qualquer natureza; desde que observe o regulamento do prédio e/ou contrato de locação.

· Indenização por contaminação pelo HIV através de Sangue
O artigo 159 do Código Civil diz: “Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar o direito ou causar prejuízos a outrem, fica obrigado a reparar o dano”. Os Artigos 1539-1540 garantem direito à indenização, tratamento e pensão.

· A mulher portadora do HIV tem direito de engravidar
A mulher portadora do HIV tem este direito; deverá, no entanto, ser informada dos problemas que pode ter, das condições de assistência, dos medicamentos e formas de tratamento existentes, bem como das possibilidades de seu filho nascer infectado pelo Vírus da Imunodeficiência Humana. Entretanto, hoje existem medicações que podem reduzir os riscos de transmissão do vírus da mãe para o seu bebê.

· Aborto
O HIV, por si só, não justifica o aborto de acordo com a lei vigente.

· Partilha de bens de casais Homossexuais
Deve ser ajuizada ação, como se tratasse de dissolver sociedade comercial-dissolução de sociedade de fato. Já há jurisprudência favorável no Brasil, inclusive garantindo aos parceiros gays direito a plano de saúde do companheiro e partilha da herança.

· Casal Heterossexual amasiado (concubinato)
Para casos em que há convivência marital de fato, deve ser ajuizada ação de dissolução de sociedade de fato, combinada com a meação concubinária.

· Creches e estabelecimentos escolares não podem proibir matrícula de crianças ou adolescentes, nem dispensar professores e funcionários portadores de HIV.
   
 

Portaria interministerial nº 769/92, estabelece que são injustificadas e não devem ser exigidas:

  • a realização de teste sorológico compulsório prévio à admissão ou matrícula de aluno, funcionário e
    professor,
  • e realização de testes para a manutenção da matrícula, sua freqüência e prestação de serviços nas redes públicas e privada de ensino de todos os níveis.